XXXV

descansa teus olhos; ainda podes
como poucos relaxar o que te assombra
e esquecer as retinas fatigadas
as mãos pesadas
os braços fugidios
teu corpo esquiva-se: deixa
não corra atrás
não assujeite
teus dias não serão mais bem levados
em belos trajes de carne
ou sem eles
descansa-te a ti mesmo
joga a chave fora
dá à porta as costas
não à vida
não aos teus eus adormecidos

XXXIV

mente que mente
mente que vaga
mente jamais calma
escancaro-me em mim
desabrochada
e são tantas vias
são tantas flores
são tantas águas
que sempre as quero voltas
nunca fecho nem retas
que me retranquem
no viver como era
assim, sempre assim
todo dia do princípio ao fim
de mim
tempo meu que não foi
dilatou, expandiu
me fugiu e explodiu
meu amor
meu vazio

XXXII

meus olhos se derramam por teu corpo
como a lava pela encosta, desabada,
que se pega e crava, devorando
a vida, requeimando a pele
renascendo tórridos
torrentemoinha

anjos do inferno, celestiais demônios
cá dentro engalfinhados todos
em sanguinária, horrenda
impiedosa batalha convulsiva
atirando-me a urrar ora em teus lábios
ora a teus pés ou à fúria que consome
arrebata e adormece corpos estafados
extáticos no abismo do prazer
a lava pulsa, meus olhos calam
banalidadezinhas

XXXI

 

meus sóis desabrocham mansos
sorridentes, sonhadores
quase sempre solitários
solidarizamo-nos, cirandas
que somos, assanhados
por vezes, insensatos
frente à sanha
avassalante desse mundo
sem sabores nem razões
soterrado
meus sóis se esgueiram sôfregos
respiram complacentes,
sereiosos, passarébrios
neste céu de nuvens safas
que sonhei-me sem sentidos
sem saudades

XXX

 
botei fogo em minha biblioteca
e no lugar plantei um jardim
onde moro há muita criança
carente de toda alegria e carinho
plantei brinquedos e flores
plantei chafarizes e amores
plantei presentes presentes
o que aprendi dos livros?
que não desabrocham flores
que não empurram o sol
que não brotam fontes
falsas pistas todos
desvios labirintosos
atalhos sedutores, sugadores
quem não se traga no oco do mundo?
em paz estejam
era tempo, mais que tempo,
de meus sinais inventar
meus mínimos, meus fracos,
meus barulhentos e alegres e quentes,
meus nascentes
minhas vidas e sóis
eu arrebol

XXVIII

morreu a poesia
oh, que tristeza
morreu de inanição
tão deprimida
mal sabendo morreu
como gozar a vida

velaram-na muitos
tão inocente no diminuto
caixãozinho branco
de flores tantas
de todas as cores
amargas flores

choravam-na todos e todas
mal me aguentando retirei-me a um canto
meu sol congelara
e eis que quando iam fechar a tampa
a menininha rindo se levanta
e olha em volta, a danada: “pegadinha!”

XVIII

a gente poeta porque a vontade é livre
quer ser dia e noite muito mais que tempo
a gente canta porque o sonho sangra
quer comer o fogo sem rasgar a carne
a gente diz porque o desejo é sempre
o próprio deus nos olhos do fundo do peito
a gente escreve porque a mão costura
o chão que falta e esmaga os perturbados pés
a gente vê porque o silêncio traga
porque a gente sabe o que na falta sobra
a gente faz porque viver é amar
a gente vive amando sem morrer

XVII

minha paz é um céu de estrelas doces
primeiro beijo ânsia
do primeiro amor

minha paz é um céu de nuvens mansas
criança chapinhando poças mornas
no quintal sem muros do mundo

minha paz é um céu de ventos bailarinos
tranquilos doidos revolvendo a solidão
birutas risos me guiando vida afora

minha paz é um céu repleto de alvoradas
todas brotadas no meu peito sem razão

XV

queria não ter de dizer nada
nem de escrever nada
nem de pensar nada
queria que soubéssemos todos
quanto somos todos crianças e ridículos
simples crianças e ridículos sempre
e assim deixaríamos de ser crianças e ridículos todos
teríamos nos perdoado facilmente
teríamos sorrido todos do comum desespero
teríamos enxergado todos a única incerteza
teríamos vivido o mesmo segredo
mas não queremos nem conseguimos
nem sorrimos nem vivemos
e nos mantemos todos crianças e ridículos simples
carecemos da mentira como de sangue
carecemos de eus e diferenças
de certezinhas fabricadas para apodrecer amanhã
vivemos de dizer como respiraramos
e todas as palavras não perfuram o mais escuro dos silêncios

XIII

ei você sim é você mesmo
por que sou uma estranha pra você?
por que você é um estranho para mim?
por que a gente não inventa de novo diferente
oi tudo bem sou amanda e você como vai?
por que a gente não pode ser feliz
simples feliz como árvore que dá sombra a toda gente
e chuva brincalhona divertida na enxurrada?
por que a gente não pode ser assim só assim?
por que a gente quer tudo complicado
malditamente complicado
estupidosamente complicado?

lembra: dos cemitérios o mundo é o cemitério
trejeitos alheios enlouquecem
vestidos alheios encarceram
sapatos alheios atam
pensamentos alheios matam

lembro
meus pés cansados de bater mundo
meu coração calejado maior que o mundo
tudo vêem e não mais choram
e ainda não sorriem
não posso ir embora de mim nem desejo
só espero e só queria que um dia
as mentes desabrochassem
a gente vivesse em paz
assim assim
é pedir muito?
sei, doidei

XII

da escuridão nasce a luz
do orgulho o medo
da calma a coragem
não há fruto sem árvore
nem árvore sem chão

meus olhos vagam pensadores
tragam poentes e alvoradas
maiores do que mundos tantos:
pousados onde, se meu coração explode
se turbilhão sou, se nuvem de chamas
se me desfiz sem me encontrar
nem me perder, a cada dia tanto menos eu
tanto mais talvez, sempre um rasgo raso?

XI

tenho nada não a dizer
e digo sabendo bem por que
meu peito é uma guerra diadorina
entra a fé quelemém que não mais tenho
e o abismo riobaldo que me esmaga
luciferina luz que me arrebata
trevoso deus sem olhos que me traga
meu ser tão pequeno destroncado
minha rosa sem redoma urucuiana
meu amor sem razão, só incerteza
beleza sem véu, correntes lágrimas