XXVIII

morreu a poesia
oh, que tristeza
morreu de inanição
tão deprimida
mal sabendo morreu
como gozar a vida

velaram-na muitos
tão inocente no diminuto
caixãozinho branco
de flores tantas
de todas as cores
amargas flores

choravam-na todos e todas
mal me aguentando retirei-me a um canto
meu sol congelara
e eis que quando iam fechar a tampa
a menininha rindo se levanta
e olha em volta, a danada: “pegadinha!”

Anúncios

Um pensamento sobre “XXVIII

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s